Browse By

Análise – Mighty No. 9

Mighty no9

Mighty no9
5.6

História

5.0/10

Jogabilidade

8.0/10

Design

5.0/10

Apresentação

5.0/10

Sons

5.0/10

Pros

  • Jogabilidade
  • Desafio

Cons

  • Gráficos
  • Pouca Inovação

Mighty No. 9 poderia ter sido muita coisa, mas parece ter ficado no meio do caminho. Quando foi anunciado muito tempo atrás e com o lançamento da campanha para financiamento, muito se esperou do “sucessor espiritual” de MegaMan.

20160624mighty-no-9-gif

Seu lançamento não foi muito bem recebido pelos fãs que aguardavam ansiosamente o retorno desse estilo de jogo e desde então seu produtor, Keiji Inafune vem dando explicação atrás de explicação sobre a “decepção” que os fãs tiveram com o jogo.

A principio, li tantas coisas negativas sobre o jogo que perdi a vontade de jogar o título, mas depois de ler algumas coisas positivas e assistir alguns videos, quis dar uma chance ao título. A comparação com MegaMan é inevitável e ira acontecer, porém aqui estamos falando de uma nova franquia que esta nascendo agora e que ainda tem muito o que aprender e crescer.

Gráficos

screens_05

Os gráficos são bem simples, BEM simples, com uns efeitos bem porquinhos, como o das explosões. Porém, para o estilo de jogo, os gráficos estão até que aceitáveis, mesmo por que é um jogo multiplataformas que será lançado para geração anterior, a atual e inclusive para os portáteis. Os cenários por muitas vezes são vazios, com um inimigo ou outro e pobre em detalhes.

jvbpzklrecwzffgjg3vn

Durante a maior parte do tempo o jogo roda a 60fps, porém em momentos onde acontecem as lindas explosões ou quando existem reflexos dos personagens, o framerate cai consideravelmente, o que incomoda bastante quem esta jogando.

Jogabilidade

Um ponto forte do jogo é a jogabilidade, ela é rápida, simples e divertida, não acrescenta nada ao gênero, mas também não faz feio. Os comandos são aqueles que já conhecemos, um botão para atirar, dash, pular e equipar habilidades. Algo a mais poderia ter sido feito neste quesito, já que é uma nova franquia, novos comandos e novas possibilidades poderiam ter sido adicionada…

O jogo tem uma dificuldade ideal, nem muito difícil e nem muito fácil, proporcionando um desafio divertido, com fases curtas e limite de vidas por fase.

Som

Nada marcante nesse quesito, uma trilha básica e com a possibilidade de torna-la “retro”, mas aqui não escutamos nenhuma música que nos marque os nos remeta aos “velhos tempos”. A dublagem é boa mas parece um pouco forçada, como se fosse um homem tentando imitar o Ash do Pokemon.

Conclusão

Ele poderia ter sido muita coisa mas não foi, mas também não foi toda essa coisa horrível que falaram no começo, o jogo consegue proporcionar diversão na medida certa para antigos fãs de MegaMan e para aqueles que estão começando a jogar agora. As comparações sempre irão existir, mas se entendermos que é uma nova franquia e que este é o primeiro jogo, iremos com certeza dar chance para que ela cresça e se torne algo tão grandioso como Mega Man foi e é.