Browse By

All posts by Netto

Análise – PaRappa The Rapper e PaRappa The Rapper 2

Umas das características mais peculiares dessa geração é a retomada de jogos e franquias de gerações anteriores. Seja através de remasterizações, remakes ou inserção dos jogos originas para compra digital cada vez mais temos a possibilidade de jogarmos aquelas preciosidades que ficaram esquecidas no PS

Análise – The Legend of Zelda: Breath of the Wild

The Legend of Zelda: Breath of the Wild é como uma quimera. Ela conecta pedaços – melhor dizendo aspectos – de vários estilos de jogos, trabalhando juntos dentro do universo de Hyrule, gerando uma criatura nova e mística. Ao mesmo tempo, ela não apenas mimetiza

Você (já) deveria ter jogado – Samba de Amigo, Wii

Samba de amigo é um jogo de ritmo baseado em… Maracas. Antes que você pense que isso é uma grande novidade ou inovação para o gênero é interessante ressaltar que a “franquia” Samba de amigo surgiu em 1999 para Arcade e para o Dreamcast em 2000.

Análise – Lovers in a Dangerous Spacetime

Uma coisa é fato nesse mundo, o co-op local, aquele antigo de jogar com amiguinho sentado do seu lado no sofá está aos poucos morrendo. O Multiplayer online ganhou tamanha força que acabamos nos surpreendendo com jogos que sua jogabilidade seja planejada em dois ou

Jogos de 2016 que merecem ser jogados em 2017

2016 foi um ano bastante tribulado com MUITOS jogos (nem todos bons, ou relevantes, mas mesmo assim muitos jogos), e bom estamos em 2017 já, mas eu dei uma lista em bons jogos que podem ser encaixados em categorias não muito usuais até porque meu

Você (já) deveria ter jogado – Donkey Konga

Donkey Konga foi lançado no ano de 2003 no Japão e teve sua versão americana lançada no ano seguinte.  Projetado para o lancheira Gamecube ele foi um grande jogo de sua época pela proposta bastante única de promover um jogo de ritmo baseado em bongôs

Análise – No Man’s Sky

Transcendental. Desde o primeiro momento essa é a sensação que temos ao ligar o lançamento da Hello games, No Man’s Sky. O gigantesco universo, seus 18 quintilhões de planetas, as possibilidades, a fauna e a flora, e principalmente a história não contada, tornam No Man