Browse By

CS:GO – PGL Major Krakow 2017 – Resumo [DIA 1]

Foto: PGL

O primeiro dia de PGL Major Krakow 2017 contou com alguns upsets e como sempre, grandes e belas jogadas. Confira abaixo um super resumo de tudo o que rolou em Cracóvia nesse domingo (16).

Gambit 16 x 10 mousesports

  • Mapa: Inferno
  • Destaque: Dauren “AdreN” Kystaubayev

A mousesports venceu o pistol round e garantiu outros quatro rounds em sequência, abrindo 5 a 0. A Gambit não conseguia encaixar o lado terrorista, com Abay “HObbit” Khasenov demorando para entrar na partida. Quando enfim a entrada encaixou, a mousesports logo pediu um pause tático para inibir a reação dos cazaques, porém não foi efetivo, e round atrás de round com boas entradas do tapete, e xuxa sincronizados faziam com que a Gambit encostasse na partida.

O misto europeu só veio a melhorar quando o setup de dois awps funcionou trabalhando no bombsite B, mas logo na sequência quebrou a própria economia depois de uma vitória da Gambit. Surpreendente foi o desempenho de Denis “denis” Howell pela lado defensivo, principalmente na defesa do bombsite A, onde conseguiu boas eliminações na rodada em que fez a mouz terminar o half na frente em 7 x 8.

Vencendo o pistol da segunda parte a Gambit evidenciou o que a grande maioria já tinha em mente, o principal trunfo da equipe está do lado CT. Conseguindo uma defesa bem postada e segura nos bombsites, com Rustem “mou” Telepov tentando uma eliminação rápida pela região do meio. Após estar perdendo por 14 x 09 a mousesports pediu mais um tático, e encaixou a equipe para o forçado de TEC-9 que deu certo na banana, mas na sequência tomaram outra rodada destruindo a própria economia e deixando tranquilo para a Gambit fechar em 16 x 10.

Fnatic 16 x 12 Flipsid3

  • Mapa: Mirage
  • Destaque: Jesper ‘JW’ Wecksell

Iniciando de TR com um avanço rápido no Bombsite A, a Flipsid3 abriu o placar e sem dificuldades confirmou os antiecos. O primeiro armado também foi do Flipsid3, e a boa sequência continuou, fazendo-os abrir 6 x 0 no placar e forçando a Fnatic a gastar seu pause tático. O pause surtiu efeito e os suecos começaram a pontuar na partida logo em seguida, conseguindo o segundo ponto na sequência, se destacando principalmente nas trocações de kills. A sequência sueca foi quebrada com um belíssimo clutch 1v4 de Denis ‘electronic’ Sharipov, e após isso houve uma trocação de rounds e o half terminou em 7 x 8.

O segundo pistol foi da Fnatic, e com certa dificuldade venceu os antiecos. O primeiro armado também foi sueco, e o time conseguiu uma sequência muito boa na segunda metade da partida, alcançando logo o Match Point. No final, a Flipsid3 esboçou uma reação, encostou no placar e complicou a situação dos suecos, mas ainda assim (no sufoco) eles finalizaram o jogo em 16 x 12.

Virtus.pro 16 x 02  Vega Squadron

Fonte: HLTV.org

  • Mapa: Nuke
  • Destaque: Janusz ‘Snax’ Pogorzelski

Iniciando de terrorista, a Virtus.pro abriu o placar e emplacou os antiecos, todas as vezes com avanços rápidos na região do fundo e sem sofrerem grande resistência por parte do Vega Squadron. O primeiro armado também foi do time polonês, e quando o placar estava em 5 x 0 o Vega gastou seu primeiro pause tático; o pause de cara surtiu efeito e o time do leste europeu conseguiu seu primeiro ponto. Entretanto, a sequência de rounds não veio, e a VP ampliou ainda mais o placar, não dando chances aos seus adversários. No 10 x 01, o Vega pediu seu segundo pause, que novamente surtiu efeito… entretanto, novamente, o time do CIS não conseguiu emplacar uma sequência e a metade terminou em 13 x 02.

O segundo pistol também foi da VP, assim, garantindo os antiecos, a Vega Squadron o que fazer para reverter a situação. Placar final: 16 x 02.

SK 16 x 13 Penta

  • Mapa: Inferno
  • Destaque: Marcelo “Coldzera” David

A SK iniciou a partida do lado CT com uma belíssima defesa no Bombsite B, propiciando a vitória do pistol e emplacando os antiecos sem maiores dificuldades. A equipe brasileira vinha avassaladora, e no primeiro armado conseguiu eliminar toda a equipe adversária, com todos seus os jogadores sobrevivendo sem tomar dano, e assim seguiram pontuando sem tomar conhecimento dos adversários. A primeira boa chance da equipe europeia veio no sexto round, mas João “Felps” Vasconcellos inibiu completamente o impeto da Penta com bela jogada (eliminando 3 jogadores), e assim a SK seguiu pontuando.

No 10º round, os europeus conseguiram um plant, e novamente a superioridade brasileira falo mais alto, com um retake conseguindo o desarme no último segundo.  O primeiro ponto da Penta veio no 11º round, e o placar marcava 10 x 01; assim, a equipe esboçou uma reação ainda na primeira metade, conseguindo os 4 rounds finais do half, que terminou em 10 x 05.

A reação da Penta se estendeu para o segundo half, e eles conseguiram vencer o segundo pistol e o primeiro antieco, e quando tiveram a chance de encostar no placar (já que a SK vinha no eco), os europeus vacilaram e perderam o round. O problema é que a equipe brasileira não conseguiu emplacar uma sequência, e a situação se tornou caótica, já que a Penta empatou e virou a partida em 11 x 13. A partir disso os brasileiros reagiram, retomaram o controle da situação, e no sufoco conseguiram vencer a partida. Placar final: 16 x 13.

BIG 16 x 08 FaZe

BIG cedeu apenas um round jogando de contra-terrorista (Foto: HLTV.org)

  • Mapa: Inferno
  • Destaque: Johannes ‘nex‘ Maget

Favoritos, o time da FaZe começou melhor. Jogando de contra-terrorista, fez um bom retake no pistol round para abrir o placar. Depois de vencer o econômico, a FaZe garantiu o primeiro round armado da partida com Håvard ‘rain‘ Nygaard e Aleksi ‘allu‘ Jalli buscando duas eliminações cada.

Após perder os quatro primeiros rounds, a BIG se acertou na partida e os avanços pela posição do Nip começaram a ser efetivos, chegando ao empate.

Apesar de esperar até os últimos segundos para fazer as entradas nos bombsites e confiar muito mais na mira que na tática, a equipe alemã conseguiu vencer o primeiro half por 8 a 7.

O segundo pistol do mapa foi para a BIG, que com os rounds econômicos da FaZe abriu quatro rounds de vantagem.

No primeiro round armado do segundo half, a BIG conseguiu fazer um ótimo retake do bombsite B, mostrando uma sólida defesa. Sem economia, a FaZe viu seu adversário colocar seis rounds de vantagem e ficar a três da vitória.

Sem perder nenhum round de contra-terrorista, os alemães chegaram ao match point. Depois de perder sete rounds consecutivos, a FaZe voltou a vencer graças a um clutch 1vs2 de Nikola ‘NiKo‘ Kovač.

Mas, no round seguinte, a BIG impediu o avanço da FaZe no bomb B e fechou a partida em 16 a 8.

Cloud9 16 x 12 North

‘n0thing’ não sentiu a pressão da estreia e foi fundamental para a vitória da Cloud9 (Foto: HLTV.org)

  • Mapa: Mirage
  • Destaque: Jordan ‘n0thing‘ Gilbert

Começando do lado terrorista, os dinamarqueses da North fizeram um pistol round perfeito, sem perder nenhum player. Porém, no round seguinte, quase cederam o ponto para um pistolete da Cloud9.

No primeiro round armado, a Cloud9 conseguiu segurar o avanço dos dinamarqueses pela ligação, conquistando seu primeiro ponto na partida. Tentando repetir a estratégia no round seguinte, a North novamente falhou ao fazer o jogo de granadas, acabando por ceder mais um round e ficar sem economia.

Mostrando uma consistência, a equipe americana rapidamente chegou a virada e abriu uma boa vantagem de quatro rounds. Acima da média, Jordan ‘n0thing‘ Gilbert segurava todas as investidas da North pela ligação.

No rounds finais do half, as duas equipes começaram a trocar rounds, que favoreceu a North, que encostou no placar e fechou perdendo por apenas um round: 8 a 7.

O segundo pistol também foi para o time dinamarquês. Emil ‘Magisk‘ Reif conseguiu quatro kills de USP para segurar o avanço terrorista no bombsite B.

Com a vitória no round, a North garantiu os econômicos da Cloud9 para voltar a frente do marcador. Mas nos dois primeiros armados do half a Cloud9 mostrou superioridade ao invadir os bombsites e fazer as trocas de kills necessárias para garantir o round. Depois do décimo ponto, as duas equipes começaram a trocar rounds e com grandes lances individuais. Como Tyler ‘Skadoodle‘ Latham, que fez um quad kill mas perdeu o round.

Abusando dos avanços no bombsite B, os americanos conseguiram assumir a ponta do placar e chegou ao match point. No round decisivo e sem economia, a North não conseguiu impedir a entrada dos americanos no bombsite A. Assim a partida fechou em 16 a 12.

G2 16 x 14 Na’Vi

Equipe francesa se aproveitou do lado contra-terrorista para fazer uma virada espetacular (Foto: HLTV.org)

  • Mapa: Overpass
  • Destaque: Kenny ‘kennyS‘ Schrub

O pistol round começou acelerado. As três primeiras eliminações foram de Aleksandr ‘s1mple‘ Kostyliev, ajudando sua equipe a fazer o retake do bombsite B do mapa. Depois, os ucranianos precisaram apenas garantir os rounds econômicos da G2.

Mostrando estar infernal, ‘s1mple‘ chegou a 12 eliminações em apenas quatro rounds, incluindo um ace em um pistolete fracês. Com isso, sua equipe abriu quatro a zero no placar.

Insistindo no bombsite A, a G2 conseguia fazer os plants, mas não segurar no pós plant, com isso, a Na’Vi abriu oito a um no placar. A situação dos franceses não era boa. Alexandre ‘bodyy‘ Pianaro chegou a ficar com o frag de 0/10, antes de sua primeira eliminação.

Sofrendo com a economia, a G2 vencia um round e logo depois sofria a quebra econômica, sem conseguir vencer dois rounds consecutivos. Fechando o half em 12 a 3 para a Na’Vi.

O segundo pistol round foi para a G2, que buscava uma recuperação. Dominando o lado contra-terrorista, conseguiram vencer quatro rounds seguidos, obrigando o time ucraniano a pausar a partida. A vantagem que chegou a ser de dez rounds caiu para apenas três. Com Dan ‘apEX‘ Madesclaire decidindo vários rounds.

Somente depois de sete rounds, a Natus Vincere conseguiu vencer um round, suficiente para ficar próximo da vitória. Mas, logo depois sofreram a quebra econômica. Mesmo sem o armamento ideal, os ucranianos conseguiram uma excelente entrada no bombsite B, garantindo mais um round e quebrando a G2.

Jogando o máximo que podem, foi a vez da G2 quebrar a economia adversária. Faltando apenas dois rounds para o fim, a G2 chegou ao empate em 14 a 14 com um retake do bombsite A, com Kenny ‘kennyS‘ Schrub fazendo um quad kill de AWP.

Mostrando um lado contra-terrorista forte, a G2 conseguiu virar a partida e fechar o jogo em 16 a 14.

Immortals 17  x 19 Astralis

Foto: HLTV.org

  • Mapa: Overpass
  • Destaque: Peter ‘dupreeh‘ Rasmussen

Os brasileiros venceram o pistol round e garantiram os antiecos, abrindo 3 a 0. No primeiro armado a Astralis foi melhor conseguindo a defesa de ambos os bombsites com Nicolai “device” Reedtz trabalhando adiantado de AWP pela região dos balões. Outro que conseguia confundir a Immortals era Markus “Kjaerbye” Kjærbye, que holdava pelo banheiro, chegando pelas costas, enquanto os brasucas, tentando uma entrada com menos tempo no relógio, falhavam várias vezes na sequência, o que levou os dinamarqueses a virarem a partida em 3 x 5. Em seguida a Immortals pediu um pause tático, que surtiu efeito, com os brasileiros entendendo a jogada que Markus “Kjaerbye” Kjærbye fazia pelas costas e deixando um jogador mais próximo de inibir com facilidade.

Porém, encontrando outra forma e ainda com o jovem em grande forma, a Astralis conseguiu se reorganizar e fechou o half em 6 x 9.

Para complicar ainda mais para os brasileiros, a Astralis venceu o segundo pistol, levando também os antiecos, abrindo 06 x 12. No primeiro armado o setup de dois awps veio forte, e justo Vito “kNg” Giuseppe apareceu com três eliminações, sendo essencial no retake e garantindo o primeiro ponto brasileiro do half.

A Immortals continuou a se recuperar, e jogava com sabedoria esperando pelo tempo certo do retake, não tentando acelerar as defesas de bombsite. Após o nono ponto brasuca, a Astralis requisitou um pause tático.

Na volta, Peter “dupreeh” Rasmussen conseguiu uma eliminação improvável de desert eagle, o que abriu caminho para o décimo terceiro ponto dinamarquês. Em seguida a Astralis conseguiu quebrar a economia brasileira, e quando parecia que alcançariam o Match Point, uma bela jogada de Henrique “Hen1” Teles com sua Scout garantiu a sobrevida da Immortals na partida, e após isso houve um pause técnico que atrasou um pouco o jogo. Na volta, os brasileiros mantiveram a pressão, ganhou 2 em seguida e quebrou a economia adversária, isso com o placar em 12 x 14; ao vencer o round eco adversário e o armado seguinte, o placar estava em 14 x 14 para os brasucas, que logo em seguida alcançaram o Match Point… mas os dinamarqueses correram atrás do prejuízo, empataram a partida, e levaram para o Overtime (OT).

No OT, a Immortals começou pontuando, e a partir disso houve uma trocação de rounds, e perto do final da partida… mais problemas técnicos. A internet do evento caiu e ficamos algum tempo sem saber exatamente o que acontecia, mas no final a Astralis acabou se sagrando campeã. Placar final: 17 x 19.

Para saber tudo sobre o PGL Major Krakow 2017 visite nosso link de cobertura. Participe do nosso sorteio de adesivos.

Para mais artigos e notícias sobre eSports curta nossa página no Facebook.

Gosta do nosso trabalho? Considere participar de nossa campanha para custear o site, veja informações aqui.