Browse By

CS:GO – Prévia: ESL Pro League Season 5 Finals

A quinta temporada da ESL Pro League de CS:GO terá suas finais já se iniciando nessa terça-feira (30) em Dallas nos Estados Unidos. O evento reunirá as equipes que se saíram melhor durante a fase online, seis da divisão norte-americana e outras seis da divisão europeia. Confira em nosso artigo nossas expectativas e o apanhado geral sobre as equipes.

Para todas as informações sobre o evento visite nosso hotsite.

mousesports

Tomáš “oskar” Šťastný
Robin “ropz” Kool
Christian “loWel” Garcia Antoran
Chris “chrisJ” de Jong
Denis “denis” Howell

A mousesports chega nas finais da ESL Pro League com muito espaço para surpreender. O misto europeu ganhou muito com a saída de Nikola “niko” Kovac, por mais que essa afirmação possa parecer um comentário estupidamente errôneo, a mouz concentrou suas atenções num quinteto, ao invés de um jogador estrelado. A volta de Tomáš “oskar” Šťastný colocou o time numa versatilidade ainda maior, dessa vez, o tcheco é agora o AWP principal, com o holandês Chris “chrisJ” de Jong trabalhando como um assault durante a maioria das partidas. Pelo menos foi assim na DreamHack Open Tours e em partidas online, onde a equipe se saiu muito bem, vencendo grandes nomes do cenário como a Natus Vincere, EnVyUs, G2, NiP e Virtus.pro.

Mas essa não é a grande novidade da equipe. O estoniano de 17 anos e grande estrela da FPL, Robin “ropz” Kool, é uma das caras que com total certeza veremos durante anos no cenário internacional e é hoje um dos jogadores com o potencial mais elevado para chegar ao topo do mundo algum dia. O nível do jovem em partidas online é extremamente alto, conseguindo por vezes ser o maior destaque do embate. A mouz teve seu primeiro teste presencial na já citada DreamHack, ropz saiu um pouco abaixo do esperado, mas nada muito preocupante, tendo em vista que era o primeiro grande evento em lan que disputaria. Agora, o estoniano tem que se acostumar o quanto antes a esse tipo de torneio, com a ESL Pro League sendo o maior desafio de sua carreira por enquanto, e é claro, se a mousesports quer chegar no major da PGL, é importante que fique em dia com a ansiedade nos duelos de grande porte.

Não podemos deixar de citar também o espanhol Christian “loWel” Garcia, por vezes escondido atrás do estrelismo de NiKo na equipe, agora ele tem papel fundante na maioria dos setups do misto europeu, além de aos poucos voltar a ser o líder de estatísticas da equipe, dividindo entre os já citados Oskar e Ropz o papel de carregador de piano no time.

Cloud 9

Jake “Stewie2K” Yip
Timothy “autimatic” Ta
Mike “shroud” Grzesiek
Jordan “n0thing” Gilbert
Tyler “Skadoodle” Latham

A equipe norte-americana da Cloud 9 chega ao evento sendo a atual campeã da categoria. Nas finais da temporada passada no Brasil o time liderado por Jordan “n0thing” Gilbert surpreendeu a todos e levou a taça ao bater a SK Gaming na final. Dessa vez os estadunidenses podem provar um pouco do que os brasileiros tiveram com um torneio em sua casa, sendo um dos representantes da nação.

Talvez seja a melhor fase da C9 em algum tempo, não pelos grandes resultados, mas sim pela falta de derrotas devastadoras que se acostumamos a ver. Alguns jogos online fizeram os torcedores voltarem a acreditar nas possibilidades de título, e recentemente conquistando a Subaru Invitational, vencendo novamente a SK na final, fez com que a Cloud 9 recuperasse um pouco de seu respeito no território norte-americano.

Na divisão das américas conseguiram o 5º lugar, uma posição um pouco abaixo do esperado. Tyler “Skadoodle” Latham voltou a ser o grande nome do quinteto, enquanto que em jogos online Mike “shroud” Grzesiek vem sendo um dos destaques individuais. Porém, a Cloud 9 costuma se prender a boas atuações online e péssimas presenciais. Será que novamente irão surpreender nas finais da Pro League?

EnVyUs

Christophe “SIXER” Xia
Cédric “RpK” Guipouy
Adil “ScreaM” Benrlitom
Vincent “Happy” Schopenhauer
Alexandre “xms” Forté

A equipe franco-belga da EnVyUs chega no evento após garantir a sexta vaga europeia, numa última rodada decidida nos últimos instantes. Após a criação do super time na França o quinteto foi visto como enfraquecido e deixou depositada suas confianças no belga Adil “ScreaM” Benrlitom, porém o destaque dos últimos jogos é o veterano Christophe “SIXER’ Xia que herdou a posição de awp principal no setup e vem sendo peça essencial.

A EnVyUs tem disputado poucas partidas recentemente, o que pode trazer um pouco de instabilidade durante as finais da ESL Pro. Alguns jogadores também pecam na fama de ter um bom desempenho online e um presencial abaixo da média. No geral, os franceses estão surpreendendo, atualmente bem acima do que poderia se esperar. Ninguém cravaria a equipe nas finais do evento, e por conta disso não se deve concretizar uma deixa ainda na primeira fase da competição, podendo novamente superar as expectativas.

Fnatic

Olof “olofmeister” Kajbjer
Dennis “dennis” Edman
Robin “flusha” Rönnquist
Jesper “JW” Wecksell
Freddy “KRIMZ” Johansson

Os lendários jogadores suecos da fnatic conseguiram uma campanha razoável na fase online, mas a recente fase descendente dos veteranos do cenário já atingiu o quinteto, mas após as mudanças no cenário sueco antes do ELEAGUE Major, notou-se que era melhor permanecerem juntos e retomaram a line-up. O que pode ser a fraqueza da fnatic é a liderança, nenhum dos jogadores é um grande líder, mas sim são grandes jogadores. A falta de uma cabeça pensante no quinteto é visível desde a saída de Markus “pronax” Wallsten já a muito tempo.

Atualmente com o cenário sueco em péssima fase, os jogadores podem estar vivendo um pré-shuffle dentro da cena nórdica, se isso estiver mesmo acontecendo, provável que interfira em algo durante as finais da Pro League, assim como interferia anteriormente com os rumores que os atingiam.

Desde a lesão, Olof “olofmeister” Kajbjer nunca mais foi o mesmo, ficando abaixo do seu potencial já revelado, porém o lendário jogador costuma crescer em grandes eventos e foi o grande responsável pela permanência do status de “legend” da equipe para o próximo major.

G2

Richard “Shox” Papillon
Alexandre “bodyy” Pianaro
Nathan “NBK” Schmitt
Dan “apEX” Madesclaire
Kenny “kennyS” Schrub

Uma das grandes chances do super time francês da G2 se mostrar realmente efetivo é nas finais da ESL Pro League, escasso de suas chances de chegar à um grande torneio o quinteto vive de eventos menores, mas nem por isso vem deixando muito a desejar. Durante a DreamHack Open Tours, o título veio, um torneio dentro de sua casa foi um dos motivos de se fazer achegar um pouco mais a torcida, que já vinha com discordância de todo o grande shuffle que se montou.

Muito se falava da junção de duas estrelas enormes como Kenny “kennyS” Schrub e Richard “shox” Papillon, mas por enquanto nada enorme foi protagonizado pelos dois. KennyS vem se destacando, como sempre aconteceu, mas parece que o estrelismo de shox estava um pouco apagado durante a etapa vencida da DreamHack. O AWP conseguiu o MVP do torneio, sendo o grande destaque nos números da equipe. É assim também em partidas online, e com total certeza Kenny é a grande aposta da G2 também para esse evento.

Immortals

Ricardo “boltz” Prass
Henrique “hen1” Teles
Lucas “lucas” Teles
Lucas “steel” Lopes
Vito “kNg” Giuseppe

Os brasileiros da Immortals surpreenderam muita gente ao conseguir a terceira vaga norte-americana para as finais, não que não se apostasse na equipe, mas sim pelo excesso de desempenho durante os primeiros dez jogos online no torneio. Aos poucos a Immortals vai compartilhando da hegemonia da SK Gaming no cenário americano, mas ainda falta demostrar a mesma eficácia nos presenciais.

A saída de Lincoln “fnx” Lau do time trouxe ainda mais dúvidas para o quinteto, que agora contara com Vito “kNg” Giuseppe. Outra grande incógnita se faz aí, até hoje a Immortals apenas dependia de Henrique “hen1” Teles como AWP, com a soberba qualidade de kNg ainda parece incerto a postura tática que se adotará. A primeira partida do jogador junto de sua nova equipe pareceu um pouco estranha a forma de jogar, o restante da equipe não pareceu se adaptar muito bem ao novo setup, mas é questão de tempo e entrosamento e dificilmente conseguirão trazer um bom nível já no evento, muito provavelmente a ESL Pro League S5 Finals servirá para a Immortals como um grande teste para o Américas Minor, torneio que dá vaga no principal classificatório da PGL Major Krakow 2017, o sonho da equipe desde o início.

Liquid

Russel “Twistzz” Van Dulken
Jonathan “EliGE” Jablonowski
Peter “stanislaw” Jarguz
Nick “nitr0” Cannella
Josh “jdm64” Marzano

No papel a Liquid conta hoje com a melhor equipe norte-americana, mas como citei, apenas no papel. A equipe está longe daquela que conseguiu chegar nas semifinais da MLG Columbus e na grande final da ESL One Cologne 2016, parece um pouco defasada em relação aos brasileiros na América do Norte, e em torneios presenciais recentes não pareceu estar muito bem entrosada após as diversas mudanças.

Na questão de liderança e otimização tática a Liquid conta com duas mentes brilhantes, uma ainda no quinteto com Peter “Stanislaw” Jarguz, que é considerado hoje o grande IGL norte-americano, e como coach o brasileiro Wilton “zews” Prado vem cada vez mais deixando a equipe ao seu modo. A adição recente do jovem de 17 anos Russel “Twistzz” VanDulken, parece ter mudado a cara da Liquid. Agora com um jogador com enorme potencial futuro e imensa determinação parece que o quinteto tem tudo para despontar, e as finais da Pro League podem ser o ponto de partida para isso.

Natus Vincere

Aleksandr “s1mple” Kostyliev
Ioann “Edward” Sukhariev
Denis “seized” Kostin
Egor “flamie” Vasilyev
Ladislav “GuardiaN” Kovács

A Na’Vi não é nem de perto o time amedrontador de outrora. Essa afirmação já vem se repetindo a algum tempo e até agora parece não apresentar mudanças. Durante a fase online da ESL Pro a equipe não conseguiu desempenhar um bom jogo durante algum tempo, o que quase lhe custou a classificação, podendo ficar de fora assim como FaZe e Astralis.

A entrada de Aleksandr “s1mple” Kostyliev não surtiu o efeito desejado, parecido com o receio que se criou na Immortals com a entrada de um awp secundário, o Natus Vincere não funcionou durante um tempo. Recentemente a equipe parece ter caído ainda mais de produção, tomando 16 a 0 online para a mousesports e perdendo por 16 x 04 presencial para a mesma equipe. Além disso tudo eles ainda têm péssimos desempenhos contra equipes de menor nível, o que dificulta afirmar qualquer bom resultado do time nessas finais da Pro league.

North

René “cajunb” Borg
Mathias “MSL” Lauridsen
Philip “aizy” Aistrup
Emil “Magisk” Reif
Kristian “k0nfig” Wienecke

Na fase online a equipe dinamarquesa da North mostrou um nível inesperado de jogo superando todos os adversários e garantindo a primeira vaga nas finais. O crescimento da equipe de janeiro ao início do mês de maio foi o maior no cenário internacional, o bom momento só foi interrompido pelo desempenho horrível na IEM Sydney, caindo para os australianos da Chiefs ainda na primeira fase.

A North é hoje uma das equipes que pode brigar pelo título de qualquer torneio, mas depende que o quinteto como um todo esteja bem desde o início. Na já citada IEM Sydney, a jovem estrela Kristian “k0nfig” Wienecke não conseguiu mostrar sua qualidade individual que todos conhecemos, pecando por vezes em momentos cruciais, sendo que o mesmo é parte importante com sua AWP, principalmente nos setups de defesa dos nórdicos. Em suma, Emil “Magisk” Reif continua sendo o destaque disparado do quinteto, mas se uma nova eliminação precoce aparecer, agora na Pro League, pode fazer com que a North tenha problemas para a fase pré-major, chegando no torneio da Valve sem embalo ou com alguns problemas ainda a se resolver.

NRG

Damian “daps” Steele
Jacob “FugLy” Medina
Peter “ptr” Gurney
Vincent “Brehze” Cayonte
Derrick “LILMAN” Boyne

A equipe norte-americana da NRG é talvez a grande zebra das finais da Pro League, não que não houvesse chances de uma classificação, mas o nível da equipe em presenciais é bem abaixo do restante das listadas nesse torneio, o que dificultará bastante qualquer resultado positivo por parte deles. A decisão mais discutível e pilar da decadência recente da equipe nas rodadas finais da fase online foi ter colocado o mexicano Edgar “MarkE” Jimenez na reserva, deixando Derrick “LILMAN” Boyne na line-up ativa. O latino vinha se destacando nas partidas da equipe, o que causou ainda mais estranheza na decisão do quinteto.

As dúvidas sobre a qualidade do time se reforçam ainda mais se analisarmos o último presencial que atuaram, na Copenhagen Games 2017, contra equipes montadas às pressas, e nível quatro e cinco, ficando apenas na 7ª posição, então imaginem a dificuldade que terão num evento com as maiores equipes do mundo.

O grande nome dos norte-americanos é o awp Peter “ptr” Gurney, mas o queridinho pelos brasileiros já não está mais naquele desempenho de tempos de CLG. O que pode auxiliar a NRG é o grupo que estão, como já citado a Na’Vi não está nem perto de seus melhores dias, a mousesports muito provavelmente garantirá uma das vagas junto da North, e sobra então a terceira vaga da fase de grupos, restando confrontos locais contra Liquid e Optic, cabe aí um espaço para surpresas.

Optic

Will “RUSH” Wierzba
Óscar “mixwell” Cañellas
Keith “NAF” Markovic
Tarik “tarik‘ Celik
Jason “jasonR” Ruchelski

A Optic Gaming vive ares de grandeza após atuar na IEM Sydney e recentemente ser convidada para a ESL One Cologne 2017. Os norte-americanos não são aquela equipe amedrontadora de uns meses atrás, mas ainda incomodam e conseguem manter um bom nível em partidas online locais na América do Norte.

No torneio australiano, a equipe usou James “hazed” Cobb, ficou um pouco abaixo da média, mas mesmo assim conseguiu garantir vaga nos playoffs, para as finais da Pro League em Dallas, a Optic usará Jason “jasonR” Ruchelski que foi efetivado como quinto jogador recentemente. Numa visão não muito aprofundada, a Optic seria a terceira força do grupo B, mas como já citei terão que disputar contra rivais locais para ter a classificação ao fim da disputa.

SK Gaming

Gabriel “FalleN” Toledo
Fernando “fer” Alvarenga
Marcelo “coldzera” David
Epitacio “TACO” de Melo
Joao “felps” Vasconcellos

Após João “felps” Vasconcellos se encontrar na equipe, a brasileira SK Gaming voltou a merecer um lugar perto do topo do mundo. A cs_summit foi o tipo de evento que pouca gente levava a sério, mas o gostinho de conquistar uma taça fez com que a SK se sentisse melhor no decorrer do tempo, além de ter servido como bom teste de entrosamento para o membro do quinteto. Logo depois, a ida à Sydney para a IEM e a posterior conquista do título, batendo North, Astralis, FaZe entre outras fez não só os jogadores, mas os fãs a confiarem novamente na força brasuca.

Muito disso se deve a consistência que Marcelo “coldzera” David vem demonstrando nas últimas semanas. O melhor jogador do mundo não quer de forma alguma deixar para trás o seu título individual e vai montando uma galeria imensa de MVPs de torneio.

Gabriel “Fallen” Toledo também parece aos poucos retornar a forma que o consagrou, na Austrália o jogador não foi perfeito, mas foi bastante efetivo em rodadas essenciais da partida, como na grande final contra a FaZe.

Além disso a ausência de Astralis e FaZe, que não conseguiram a classificação para o evento presencial, fazem com que a SK chegue ao torneio como a grande favorita para conquista dos $225.000,00.

Para saber todos os horários e ficar ligado em nossa cobertura acesse nosso hotsite do evento.

Para mais artigos e notícias sobre eSports curta nossa página no Facebook.

Gosta do nosso trabalho? Considere participar de nossa campanha para custear o site, veja informações aqui.