Browse By

CS:GO – Prévia: Ásia Minor – Krakow 2017

O primeiro dos minors para o major da PGL Krakow será, como de costume, o asiático  e tem início já nessa quarta-feira (31) em Pequim, na China. Pela primeira vez o torneio contará com um nível um pouco mais equilibrado, devido as últimas mudanças no continente. TyLoo e Renegades foram convidadas para o evento, enquanto que o resto garantiu vaga por meio do classificatório.

Os dois primeiros do evento garantirão vaga para o classificatório principal do major que acontece no final de junho.

Para saber todos os horários do evento visite nosso hotsite.

Flash Gaming

YuLun “fancy1” Cai
YuanZhang “AttackeR” Sheng
QiFang “Karsa” Su
Andrew “kaze” Khong
KunHua “LOVEYY” Bai

Num hype imenso a Flash Gaming é a nova queridinha do cenário asiático. Considerados pela mídia especializada do continente como super time chinês o quinteto chega ao Ásia Minor para disputar o seu primeiro presencial.

A Flash foi criada em março de 2017 pela estrela YuLun “fancy1” Cai, que foi literalmente chutado da TyLoo após desavenças contratuais e o ex-coach da equipe QiFang “Karsa” Su que saiu pelo mesmo motivo. Fancy era considerado um dos principais jogadores do país, enquanto que Karsa é tido como a mente tática chinesa, a pessoa que deu cara e personalidade para a TyLoo aparecer no cenário internacional.

Posteriormente outro potencial em ascensão apareceu para a line-up, YuanZhang “AttackeR” Sheng, também ex-jogador da TyLoo, para fechar a quadra chinesa KunHua “LOVEYY” Bai, experiente jogador que atuava pela ViCi. Porém, a Flash ainda precisaria de uma distinção entre as outras, para não ser apenas mais uma no cenário, para isso contratou o malaio Andrew “kaze” Khong, um dos, se não o maior, awp do continente.

Desde antes de sua oficialização, a line-up já treinava na icônica cidade de Tangshan, na província de Hebei. Pela sua ausência nas mídias todos mencionavam que o quinteto buscava inspiração em dezenas de horas de treino na cidade.

Quando estreou oficialmente, foi logo no classificatório chinês par ao Minor, e não deu outra, destruíram todos os adversários, inclusive a ViCi na grande final.

Pelo equilíbrio das equipes, é difícil afirmar que a Flash conseguirá uma das vagas sem problemas, é complicado não apostar na experiência internacional da Renegades ou na qualidade da TyLoo, mas com total certezas eles têm muito potencial para conseguir o feito.

TyLoo

Ke “Mo” Liu
Zhen “HZ” Huang
Hui “DD” Wu
Hansel “BnTeT” Ferdinand
HaoWen “somebody” Xu

A outra representante do país mais populoso do mundo é a já tradicional TyLoo, essa nova fase da principal equipe do país, logo após os problemas com os jogadores da antiga line-up fez com que os fãs ficassem com um pé atrás sobre o poderio do quinteto, porém, Hansel “BnTeT” Ferdinand acabou de vez com qualquer desconfiança. O jogador da Indonésia é o líder em estatística no mundo, superando qualquer outro nome de contrato e salário astronômico. O maior astro do continente vai jogar o torneio que pode ser o mais importante da equipe nessa recente fase. Não conseguindo garantir a classificação para a IEM Sydney, a equipe, e BnTeT ainda não tiveram um teste do tamanho das esperanças, e o classificatório principal do major seria essa chance, mas para isso precisam destruir com os adversários locais.

Não apenas por isso, mas a TyLoo é a mais capacitada e experiente equipe para conseguir uma vaga no major de Krakow, e garantir isso seria o ponto máximo do país que já quebra recordes de audiência vez após vez.

Já que foi uma das equipes convidadas para o evento, e joga em casa o torneio, é provável que pensemos na TyLoo como a grande favorita a uma das duas vagas, a tabela inicial também ajudou, estreando contra a tailandesa 7642. Se BnTeT jogar tudo o que vem apresentando, será difícil segurar.

7642

Phoomphat “qqGod” Phojjanart
Sattawut “Leaf” Reathong
Patiphan “CigaretteS” Posri
Kititkawin “PTC” Rattanasukoli
Thotsaphon “cbbk” Suphatthanaphalaphon

Pela primeira vez a Tailândia contará com dois representantes no Ásia Minor, mas ambas têm poucas chances de garantir uma das vagas. Para que a 7642 funcione é essencial que Patiphan “CigaretteS” Posri e Phoomphat “qqGOD” Phodjanat estejam em um bom momento. O duo já atuou junto na Signature principal rival e outra representante do país do sudeste asiático no evento.

Para chegar no torneio a equipe bateu a Recca da Indonésia, que era uma das favoritas a levar o classificatório da região.  A falta de experiência presencial contra equipes internacionais também pode ser um motivo pesado para um desempenho não muito belo por parte da 7642.

Signature

Tosapol “TOR” Saekow
Anupong “stk” Mueangngam
Kitsada “bnwGiggs” Pook-aumrung
Warittorn “RoLEX” Kalanukarn
Kritthee “Geniuss” Sawatmuang

A outra representante da Tailândia é a Signature, sendo sempre a principal equipe do país sofreu com algumas mudanças recentes, trocando o duo citado anteriormente por dois jovens jogadores. A grande estrela do quinteto é Kitsada “bnwGiggs” Pookarmroung, um bom jogador híbrido que pode fazer várias funções em diferentes estilos durante a partida. A equipe se prende a algumas disputadas internas no país, onde não tem um adversário de nível, mas dificilmente chega a grandes eventos internacionais. Nem mesmo em suas participações contra equipes chinesas ou sul-coreanas conseguiu algum resultado expressivo.

A grande aposta, tanto no momento como para o futuro é o jovem de 16 anos Warittorn “RoLEX” Kalanukarn um bom assault que vem chamando a atenção em partidas online. Porém, a Signature não vem em bom momento, conseguiu apenas um 4º lugar na BeyondGodlike CS:GO SEA Pro League, torneio que contava apenas com equipes do sudeste asiático. Por conta disso e do nível dos adversários, logo na primeira fase, é complicado afirmar que a Signature poderá surpreender.

Spotnet

Mohammad “Zerocool” Ahmad Issa Al-Adwan
Issa “ISSAA” Murad
Husain “Empera” Chehab
Belal “Senpai” Chehab
Omar “Jabz” Jabbouri

A Spotnet será talvez a equipe mais interessante a se observar no Ásia Minor. Tanto por quebrar a hegemonia da Risky Gaming dentro do Oriente Médio, como contar com dois jogadores jordanos, que constantemente atuam junto de grandes nomes do cenário europeu, tendo em vista que o ping da Jordânia para qualquer parte da Europa não é muito elevado.

Os outros três libaneses da line-up não ficam atrás, Husain “Empera” Chehab foi um dos destaques da equipe no torneio classificatório, auxiliando principalmente na grande final contra a Risky. O grande nome do quinteto é Issa “ISSAA” Murad, o jordano é um nome recorrente dentro das transmissões online dos profissionais da Europa e um dos queridinhos por lá. O atleta de 20 anos é bastante versátil em sua função de suporte, sendo a grande aposta dos árabes.

Belo bem da globalização do Counter Strike seria belo de ver um bom desempenho da Spotnet, que tem sua estreia já contra uma pedreira, a Renegades.

Immunity

Mohammed “MoeycQ” Tizani
Callum “BURNRUOk” Henderson
Sean “Gratisfaction” Kaiwai
Erka “erkaSt” Gantulga
Travis “wizard” Richardson (complete)

Uma das grandes curiosidades para o Ásia Minor será o confronto entre Immunity e The MongolZ logo na estreia de ambas as equipes. O mongol Erka “erkaSt” Gantulga que atua pela equipe australiana enfrentará seus compatriotas num jogo duro que pode pré-moldar a classificação posterior à fase de grupos.

O grande problema da Immunity é não poder atuar com sua line-up completa já que James “James” Quinn saiu da equipe no início do ano. Travis “wizard” Richardson completará a equipe, wizard já atuou junto de erkaSt no último Ásia Minor quando jogavam pelo Athletico.

A Immunity é hoje a segunda melhor equipe da Oceania, se contarmos que a Renegades joga pela divisão norte-americana e a Chiefs vai se solidificando como grande nome da Austrália, porém a mesma perdeu para a Immunity no classificatório, o que trouxe bastante esperança para o esquadrão.

Com TyLoo e The MongolZ estando em seu grupo, a Immunity tem que garantir logo o confronto direto contra os orientais, para que não precisem depender do jogo de eliminação para permanecer com o sonho de voltar a disputar um major da categoria.

The MongolZ

Tsog “Tsogoo” Mashbat
Enkhtaivan “Machinegun” Lkhagva
Gan-Erdene “dobu” Batbold
Bold “ncl” Batsuh
Batbayar “kabal” Bat-Enkh

Campeões da IEM Taipei, que servia de Minor asiático para a MLG Columbus os mongóis não conseguiram liberação do visto para entrar em território norte-americano para àquele que seria quase que certeza o classificatório que daria a vaga no major para uma equipe da Mongólia, digo isso pelo nível encontrado no grupo daquele evento, que teve a Splyce [convidada para substituir os asiáticos] como vencedora.

O The Mongolz não é mais aquela line-up, conta com algumas poucas mudanças, mas o trio essencial do esquadrão permanece por lá, mais importante ainda, o já veterano Enkhtaivan “Machinegun” Lkhagva está de volta. Após uma curta passagem na Splyce, mas se destacando individualmente no cenário norte-americano, a grande estrela do país retornou ao MongolZ para continuar o sonho de levar sua equipe à um major.

O grande problema do quinteto hoje é justamente resultado das mudanças, não existe um awp principal, nenhum dos jogadores é um jogador da função no papel, a lacuna deixada por Temuulen “Zilkenberg” Battulga é sentida, e faz com que Enkhtaivan “Machinegun” Lkhagva tenha que alternar a arma junto de Bold “ncl” Batsuh. A esquadra mongol é sempre uma surpresa e pode apresentar um desempenho acima da média e arrancar uma vaga no grupo B, aliás, a Immunity sempre sofreu nos confrontos contra os asiáticos, o que pode trazer um pouco de inspiração.

Renegades

Justin “jks” Savage
Aaron “AZR” Ward
Karlo “USTILO” Pivac
Noah “Nifty” Francis
Nemanja “nexa” Isaković

O time mais internacional do Ásia Minor chega como um dos favoritos à conquista da vaga no classificatório principal do major, mais do que isso, por sua experiência internacional, a Renegades é quase que obriga a estar nas cabeças do torneio, e isso pode ser um grande contratempo.

Na IEM Sydney a Renegades foi decepcionante, perdendo para a compatriota Chiefs e caindo ainda na fase de grupos. A adição do sérvio Nemanja “nexa” Isaković, tanto na line-up ativa como na função de IGL, ainda não surtiu o efeito desejado, mas de pouco se testou presencialmente, sendo o evento australiano o único até agora.

Em suma a grande estrela da Renegades continua sendo Justin “jks” Savage, não apenas uma estrela, mas sim a equipe é altamente dependente de uma boa forma do estrelado jogador. O jovem awp Noah “Nifty” Francis veio para tentar dividir esse piano pesado que jks carregava, mas até agora também não se mostrou totalmente efetivo.

A estreia pode ser um pouco mais tranquila, mesmo enfrentando a Spotnet, que como já citado pode ser uma das grandes surpresas do torneio, é visível a diferença técnica entre ambas, mas que se atente a Renegades, todos querem dar o próximo passo rumo ao major da PGL Krakow 2017.

Para saber todos os horários do evento visite nosso hotsite.

Para mais artigos e notícias sobre eSports curta nossa página no Facebook.

Gosta do nosso trabalho? Considere participar de nossa campanha para custear o site, veja informações aqui.