Browse By

CS:GO – Caminho ao Major – OpTic Gaming

Para o primeiro Major de CS:GO em 2017 preparamos uma série de artigos destacando cada uma das equipes presentes no grande evento que premia $1.000.000,00. O conteúdo abaixo destacará os últimos seis meses da OpTic Gaming.

OpTic Gaming

Keith “NAF” Markovic
Will “RUSH” Wierzba
Óscar “mixwell” Cañellas
Tarik “tarik” Celik
Peter “stanislaw” Jarguz

Vindo para o Counter-Strike: Global Offensive no início de 2016, depois de um grande sucesso no Call of Duty, a equipe da OpTic Gaming contratou os players da Conquest. A line era composta por Shazheb “ShahZaM” Khan, Damian “daps” Steele, Will “RUSH” Wuerzba, Keith “NAF” Markovic e Peter “stanislaw” Jarguz. E, logo no seu primeiro torneio, ELEAGUE Road to Vegas, foi campeã. Era um presencial, em partida única, contra a Lounge Gaming. Venceu por dois mapas a zero e faturou 35 mil dólares, no torneio preparatório da ELEAGUE.

Apesar do bom começo, as derrotas nos qualifier da MLG Columbus 2016 e da DreamHack Masters Malmö 2016, obrigaram a organização a fazer mudança na line. “ShahZaM” deixou a equipe e Óscar “mixwell” Cañellas foi contratado, oriundo da gBots eSports Club. A mudança surtiu efeito. Conseguiram chegar as finais da ESL Pro League – Season 3, além da classificação para o major.

Na ESL One: Cologne 2016 fizeram uma fraca campanha, ficando em último lugar de seu grupo, sem conquistar uma vitória. O resultado pareceu assustar a equipe, que imediatamente buscou mudanças.

‘NAF’ após a eliminação no major para FlipSid3 Tatics (foto: HLTV.org)

Primeiro anuncio feito pela equipe foi a saída de “stanislaw” e a chegada Tarik “tarik” Celik, vindo da Counter Logic Gaming. Logo depois foi a saída do treinador Jonatan “Devilwalk” Lundberg. Mas, pouco menos de um mês da mudança, os próprios players decidiram voltar com “stanislaw” e quem deixou a equipe foi “daps”.

Faltando três meses para acabar o ano e com várias mudanças pouco se acreditava na OpTic. Mas, no primeiro presencial da equipe com a nova formação, surpreendeu demais. A ESL One: New York 2016 foi um divisor de águas para o time. Começaram mal no primeiro dia. Perderam duas partidas seguidas e ficaram a uma derrota de serem eliminados. Porém, no segundo dia de competição deram a volta por cima. Eliminaram G2 e Astralis, favoritos nas partidas. Depois, precisando vencer apenas mais uma, enfrentaram a fortíssima Virtus.pro, valendo uma vaga na semifinal da competição. Jogando na Cobblestone, fizeram um jogo equilibrado, mas acabaram derrotados por 16 a 14. Apesar da derrota, “tarik” foi o destaque do jogo e o time mostrou um grande equilibrio, que seria fundamental para o futuro da equipe.

derrota para a VP: A grande mudança da OpTic (foto: HLTV.org)

Um mês depois, conquistaram a Northern Arena 2016, competição disputada no Canadá com a presença de boas equipes como Team Liquid e EnVyUs. A final foi disputada contra a G2. Numa MD3, e mesmo perdendo o primeiro mapa, a OpTic não dava mostras que perderia o título. Venceram os dois mapas seguintes com autoridade, com show de “mixwell” e “tarik”.

O primeiro título (foto: dilvugação/Northern Arena)

O mês de dezembro foi intenso e positivo para OpTic. Logo no início do mês foi campeão da segunda temporada da ELEAGUE, surpreendendo a todos. Na fase de grupos já eliminou Fnatic e EnVyUs. Chegou aos playoffs como azarão, eliminou mousesports e FaZe Clan sem perder um mapa, chegando a decisão com moral.

Na final contra a Astralis começou mal, perdendo o primeiro mapa por 16 a 9 na Train. Na Cobblestone, dominou totalmente vencendo por 16 a 6 e levando a final para o terceiro mapa. Na Overpass, os americanos mostraram um controle de mapa jogando tanto de terrorista, quanto de contra-terrorista, e conquistou a vitória por 16 a 11.

Garantindo o título, os holofotes foram apontados para a equipe. Sairam da 13ª colocação do ranking da HLTV.org para a 6ª. “RUSH” ganhou o prêmio de MVP da ELEAGUE. E as expectativas para os próximos torneios aumentaram.

RUSH, MVP da ELEAGUE – Season 2 (foto: HLTV.org)

Uma semana depois, nas finais da segunda temporada da ECS, novamente uma final contra Astralis. Mas, desta vez, um resultado diferente. Os dinamarqueses foram donimantes e venceram com facilidade. Apesar da derrota, houve uma consolidação da boa fase. Subindo para o top5 do ranking da HLTV.org e faturando mais de 500 mil dólares em um mês.

Único europeu da equipe, “mixwell” foi uma contratação questionada na época. Mas o espanhol, de 21 anos, superou as expectativas e foi ao longo da temporada o mais regular da equipe. Além da regularidade, tem momentos de destaque como na final da ELEAGUE ou nesse ACE na primeira ECS:

O último trimestre do ano foi sensacional para a OpTic. Subiram de patamar de uma forma incrível, chegaram ao terceiro lugar no ranking mundial e viraram exemplo para outras equipes. Mesmo assim, a desconfiança ainda existe: até onde a OpTic pode chegar?

A ELEAGUE Major tem início no dia 22 de janeiro com cobertura completa da GCB Games.