Browse By

Prévia: Américas Minor

MLG MINOR DAS AMERICAS

Nesta quarta-feira, 19, começara mais um Minor continental, que dará duas vagas para o classificatório principal do major e mais $50.000,00 para os primeiros colocados.

O Brasil terá dois representantes. A mais conhecida mundialmente e oitava melhor equipe do mundo, segundo ranking da HLTV.org, Tempo Storm. A segunda é equipe será a recém-formada WinOut, cuja lineup é formada por ex-jogadores das organizações brasileiras  Keyd Stars e G3X. Tal equipe irá substituir a equipe campeã do classificatório sul-americano, Big Gods, que por problemas burocráticos não conseguiu ir para os EUA.

Os brasileiros estão em grupo separados, disputando a vaga com outras seis equipes americanas em Columbus, onde a equipe da Luminosity Gaming fez história na conquista do primeiro Major de CS:GO, para o Brasil.

Grupo A Grupo B
Tempo Storm OpTic
NRG Selfless
Team Kaliber Winterfox
TSM WinOut

GRUPO A

Tempo Storm

Henrique “Hen1” Teles
Lucas “Lucas1” Teles
Ricardo “boltz” Prass
Gustavo “Showtime” Gonçalves
João “felps” Vasconcellos

esea premier 21 finals tempo storm

tempo storm

A notícia que mais movimentou o cenário do CS:GO na última semana foi, sem dúvidas, a de que Luis “peacemaker Tadeu, coach da equipe brasileira, estava de saída da equipe. Um choque, visto que o time vem crescendo bastante, e muito desse crescimento é creditado a Peacemaker.

Neste último fim de semana a equipe jogou as finais da liga ESEA, onde garantiu vaga para a próxima temporada da ESL Pro League. E o que se viu foi uma equipe dominante, vencendo as MD3 de perfeita, mostrando que o ex-coach não deixou magoas ou incertezas, e sim um bom legado técnico.

Esse será o segundo classificatório desta line. O primeiro, em março, para o Major Columbus, acabou sendo eliminada pela FlipSid3 Tatics. Hoje com mais experiência em LAN, é uma das favoritas a vencer este classificatório e a vaga para o Major.

NRG eSports

Fatih “Gob b” Dayik
Samuel “SileNt” Portillo
Justin “just9n” Ortiz
Peter “Ptr” Gurney
Nikola “LEGIJA” Ninic

Gob b jogador da NRG Esports

Gob b jogador da NRG Esports. Foto: HLTV.org

A equipe da NRG é uma jovem equipe no cenário NA, contudo é uma equipe que já tem uma boa bagagem internacional. Nunca conseguiu uma grande colocação nos grandes torneios, mas se destaca por bons mapas em disputas MD3, exemplo: Fase final da liga CEVO, a duas semanas atrás, onde por pouco não surpreendeu a Virtus.pro.

A equipe participou da primeira DreamHack em solo americano. Não conseguiu avançar para a segunda fase, mas no jogo de sua eliminação, contra a Selfless, uma MD3, por pouco não venceu o primeiro mapa, deixando escapar a oportunidade de fechar a série por dois mapas a zero.

Por esses resultados expressivos foi convidado para participar do seu primeiro classificatório continental para um Major.

Team Kaliber

Cory “APE” Bate
Terry “dsr” Ryu
Kyle “OCEAN” O’Brien
Matthew “no_one” Congdon
Vincent “Brehze” Cayonte

No_one, jogador da Team Kaliber

No_one, jogador da Team Kaliber

Antiga Without a Roof, que foi criada a pouco mais de 3 meses, participa pela primeira vez de um classificatório para Major. Necessitou passar pelo classificatório americano para estar presente nessa etapa, um fato curioso, já que foi convidada a participar da liga ECS, cuja premiação total será de 3,5 milhões de dólares.

Na cena norte-americana não tem grandes resultados, e se quer participa dos torneios presenciais pelo país. Porém, neste último domingo participou da fase final da liga ESEA, mas não conseguiu vaga para a ESL Pro League, ficando com o terceiro lugar.

Team Solo Mid

Kory “Semphis” Friesen
Pujan “FNS” Mehta
Timothy “automatic” Ta
Hunter “Sick” Mims
Russel “Twistzz” VanDulken

Após épocas vitoriosas vividas com line dinamarquesa, a organização Norte-americana apostou em uma line mais caseira. Formada por canadense e americanos, a equipe ainda engatinha no cenário americano, apesar de ser convidada para as grandes ligas.

Um jogo interessante dessa equipe, que apesar de ser discreta, é perigosa, aconteceu na recém-criada lida ECS, onde conseguiu vencer o mapa de escolha da Luminosity Gaming, cbble, por 16 a 13. Uma vitória muito notória, visto que foi o único mapa perdido da LG em nove confrontos MD3.

VEJA TAMBÉM  CS:GO - FlipSid3 conquista o título da DreamHack Open Leipzig 2017

Com essa line a equipe disputou o classificatório America Last Chance, que, alias, foi o primeiro campeonato disputado pela nova equipe. O time não resistiu ao primeiro confronto, onde foi derrotada por dois mapas a zero pela WinterFox.

GRUPO B

Optic Gaming

Damian “daps” Steele
Keith “NAF” Markovic
Peter “stanislaw” Jarguz
Will “RUSH” Wierzba
Óscar “mixwell” Cañellas

Time da Optic, ainda com o antigo integrante, Shazam

Time da Optic, ainda com o antigo integrante, Shazam

A equipe da Optic surpreendeu a número 4 do mundo (na época), Astralis, na passada, pela ESL Pro League Finals, vencendo-a por 16 a 7 na Inferno. Um feito memorável, visto que a equipe dinamarquesa é uma das equipes mais fortes em fase de grupos – ainda mais em um mapa como a inferno, onde, desde o começo do ano, somente Fnatic e Na’vi haviam-na vencido, em campeonatos presenciais.

No Classificatório para a etapa final da liga ESL, venceu com propriedades algumas das principais equipes norte-americanas, sempre por dois mapas a zero.

É frequentadora dos classificatórios para Majors, apesar de nunca ter conseguido classificação para um. No último classificatório ficou pelas semifinais dos dois qualifys continentais, e nessa ocasião tenta repetir as performances dos últimos campeonatos em que participou pelo mundo.

Selfless Gaming

Michael “Uber” Stapells
Michael “MAiNLiNE” Jaber
Skyler “Relyks” Weaver
Noah “Nifty” Francis
Mitch “mitch” Semago

Mainline (D) e Michu (E)

Mainline (D) e Michu (E). Foto: HLTV.org

Campeã do último classificatório continental para o Major Columbus, a equipe norte-americana tenta repetir o feito, mesmo sem Koosta, o ex-jogador da equipe – hoje jogador da Team Liquid –, que para muitos era quem “carregava” a equipe.

Esta nova line vem de um trimestre de autos e baixos. Em torneios onlines fez bons resultados: 6° lugar nesta temporada da ESL Pro League, faturando 23.500 dólares. Outro resultado significativo online foi pelo classificatório para a etapa [presencial] final da Liga CEVO. Porém nesse presencial mostrou sua dificuldade em jogar em LAN, perdendo sem vencer um mapa. Essa dificuldade ficou ainda mais evidente na DreamHack Austin, semana passada, onde o time repetiu a mesma performance.

Winterfox

Alexander “Lex”Deily
Todd “Anger” Williams
David “Xp3” Garrido
Kyle “flowsicK” Mendez
Warren “hades” Rettich

Anger é um dos destaques da equipe.

Anger é um dos destaques da equipe. Foto: HLTV.org

Equipe com jogadores poucos badalados no cenário norte-americano, é uma das poucas que jogou Nuke e venceu. Já aconteceram muitos classificatórios regionais para o próximo Major, e não se viu a Nuke entre os mapas jogados. E essa rasa experiência no mapa pode ser um trunfo da equipe, que ao contrário das adversarias, já desenvolve certa familiaridade no novo mapa.

O retrospecto da equipe em classificatórios não é bom. Consegue sempre se dar bem nos nacionais, porém no continental acaba sempre ficando no quase. Sua melhor participação foi no America Last Chance – cuja o campeão disputaria o torneio classificatório final para o Major em Columbos – onde perdeu o último jogo para a organização brasileira, Games Academy, hoje Tempo Storm.

WinOut

Bruno “BIT” Lima
Lucas “Destiny” Bullo
Renato “Nak” Nakano
Vinicios “PKL” Coelho
Gustavo “yeL” Knittel

Nova Line da WinOut

Nova Line da WinOut

A segunda equipe brasileira nesse classificatório é a recém-formada WinOut. Com um mix de jogadores das organizações, G3X e Keyd Stars, tenta junto a Tempo Storm conquistar esse classificatório e, também, a vaga para o o Major em Cologne.

Apesar de ser a primeiro campeonato internacional da maioria dos jogadores, conta com a experiencia de dois Majors do jogador Renato “Nak” Nakano, que era, até novembro do ano passado coach da Luminosity.

Além disso, os ex-jogadores da Keyd estavam dominando o cenário brasileiro, seja torneios onlines ou em LAN, onde eram imbatíveis. Uma característica da equipe era, além de muita habilidade individual, o forte entrosamento entre eles, fator preocupante, já que essa line foi formada a pouco mais de uma semana.

Quais seus palpites para a competição? Comente conosco abaixo!

Para mais informações sobre tabela, jogos, transmissões e resultados, clique aqui.

Leia mais