Browse By

Dica Gamer da Semana #15 – Mortal Kombat: Armageddon

AUTOR: LUIZ FERNANDO COSTA

Como quase qualquer outra saga
e games, Mortal Kombat sempre foi
marcada por altos e baixos. Tendo sua primeira versão lançada em 1992, a série
contou com muitos jogos principais e mais dezenas de spin-offs. Provavelmente, pelo fato de pequenos furos terem ocorrido no enredo envolvendo os jogos, a
ideia de um reboot da saga surgiu, acabando com os personagens do universo
atual e criando um novo, por isso o jogo foi chamado de Mortal Kombat: Armageddon, lançado em 2006 pra PS2, Xbox e Wii.

A história se resume em duas
partes; sendo uma o vídeo da intro do game, e outra em acontecimentos paralelos
aos do vídeo, controlando um novo personagem chamado Taven (mais detalhes a seguir). Tendo previsto o Armagedon (evento
onde todos os lutadores se matariam), o deus de Edenia chamado Argus e a
feiticeira Delia mandam seus 2
filhos semi-deuses (Taven e Daegon) para impedirem que a previsão
acontecesse, e para isso criaram também Blaze
para os ajudar. Contudo, Blaze é
capturado e corrompido por Onaga, o que o torna um dos principais responsáveis
pelo Armagedon, tendo que ser
derrotado. Durante os acontecimentos, Daegon
rouba a espada do seu pai, e tem planos de controlar o poder de Blaze para si. Posteriormente Taven mata seu irmão, pega a espada, e
derrota Blaze, mas ele já havia sido
corrompido e usa seu poder para matar todos no local com exceção de Shao Khan e Raiden,
exatamente o ponto onde MK 9 se inicia.
O modo história do game em si
só ocorre com Taven, em um modo do
jogo chamado de Konquest. Se passa
em um mundo fechado com muitos inimigos e eventualmente temos que enfrentar
alguns personagens famosos da saga. Nesse modo temos a liberdade de batalhar em
um modo livre como em um jogo de ação (exceto contra os personagens
principais), podemos bater, pular, desviar, usar poderes e eventualmente temos
acesso a armas exclusivas do cenário, tudo no bom e velho estilo sangrento de Mortal Kombat.

O modo de luta é o que mais
impressiona. Os desenvolvedores trouxeram todos os 63 personagens da saga,
todos com estilo de luta e armas exclusivos. Além dos movimentos básicos do
jogos de luta, agora era possível jogar o adversário em determinadas parte do
cenário, e a parede (por exemplo) se quebraria dando acesso a outra parte do
cenário. Havia também locais onde podiam ser realizados Fatalitys nas arenas, como rolos compressores e espinhos. Os Fatalitys também foram alterados, agora
o jogador pode realizar uma sequencia de botões fazendo o Fatality como ele quiser.
Outra novidade interessante é
a criação de personagens. Podemos criar nosso lutador, customizando cor de
pele, vestimentas, acessórios e características dos próprios personagens
da saga (como braços mecânicos de Jax,
chapéu de Kung Lao, dentes do Baraka,
entre outros), escolher determinado estilo de luta e uma determinada arma,
podendo usar nosso personagem em lutas contra os bots ou contra amigos. Também
houve um modo de jogo que era a versão “Kart
de Mortal Kombat, chamada no game de Motor
Kombat. Nada mais é do que uma
versão de Mario Kart com os icônicos
personagens e poderes adaptados para MK,
que era muito divertido.
MK:
Armageddon
infelizmente não foi um sucesso em vendas e na
crítica. Muitos não entenderam o real propósito da criação do game (até o
lançamento de MK 9) e o consideraram
desfocado e sem graça, o que não é verdade já que o jogo é divertido e
interessante, além de ser um excelente final para a saga antes de iniciar a
linha atual, fazendo um reboot que realmente valeu a pena.