Browse By

Direitos LGBT e nossos amados joguinhos.

Por: Netto

Sexta passada, 26 de junho, foi um dia histórico para a luta LGBT nos Estados Unidos. Caso você tenha vivido em uma toca nas ultimas semanas saiba que o mundo está um pouco mais “colorido” de lá para cá, pois nos USA em todos os Estados os gays agora podem se casar com quem quiserem. E ninguém pode negar a eles esse – importante – direito civil.

Mas o que isso tem a ver com games, você deve estar se perguntando, basicamente tudo. Games muitas vezes são retratos e representações de situações que convivemos no nosso dia a dia, e com os relacionamentos homoafetivos não poderia ser diferente.
Em alguns jogos – Bioware sua linda estou de olho em você -, já era possível fazer seu personagem principal se relacionar com alguém do mesmo sexo, e para mim que sou gay, quando me confrontei com essa possibilidade, eu não pude deixar de chorar.
Sim chorei, e passei dias impactado com essa possibilidade, com essa inclusão tão respeitosa e agradável. A maior parte das pessoas não imagina, muitos jogadores não imaginam, como algo aparentemente casual pode impactar a vida das pessoas. Enquanto para muita gente é “mais uma opção dentre o jogo/pra que ter isso no game” para os homossexuais é ser visto e reconhecido, é em um mundo onde gays são considerados cidadãos de segunda classe, dignos de apanhar e morrer por sua sexualidade, sermos vistos sem estranhamento e com respeito.
A inclusão aumenta a cada dia, seja na opção da escolha da sexualidade do seu personagem, seja de personagens assumidamente gays aumentando nos jogos ou até mesmo jogos com temáticas ou ambientação LGBT. E isso meus caros, mostra um enorme amadurecimento do mercado, das empresas e dos desenvolvedores.
Com isso, todos tem a ganhar. Jogos mais interessantes, narrativas mais inclusivas, e pessoas fazendo jogos para pessoas, independente de qualquer característica que ela tenha. E talvez graças a isso os gays não estejam mais relegados apenas a jogar com personagens femininas nos jogos de luta… A menos que queiramos isso.